quarta-feira, 1 de maio de 2013

Crítica Literária - "O êxtase de Gabriel" de Sylvain Reynard

O professor Gabriel Emerson envolveu-se numa paixão escaldante e clandestina com a sua ex-estudante, Julia Mitchell. Ao levá-la para umas férias românticas em Itália, inicia-a nos deleites sensuais do corpo e os êxtases do sexo. Mas ao regressarem, veem a sua felicidade ameaçada por uma conspiração de estudantes, pela instituição académica e por um antigo amante ciumento.
Quando Gabriel for finalmente confrontado pela administração da Universidade, irá sucumbir ao destino de Dante? Ou irá lutar para manter Julia, a sua Beatriz, para sempre?

O livro começa exatamente onde "O Inferno de Gabriel" terminou. Temos Gabriel e Julia a viverem plenamente o seu amor em Itália, sem qualquer tipo de restrições. O cenário é completamente romântico, sensual e erótico. Sylvain acaba por dar ao leitor uma visita guiada pela cidade, pelos museus, pela vida íntima do casal e ainda nos faz viajar apenas com as suas palavras.

Mas o Natal em família, porém, traz algumas surpresas bem desagradáveis para Julia e a felicidade do casal é ameaçada com uma presença de uma pessoa que vai abalar a confiança do casal. Para piorar a relação, o professor e a ex-aluna são descobertos e a universidade começa uma investigação fazendo com que o futuro académico de Julia e a profissão de Gabriel sejam ameaçados. Chegou o momento de tomar algumas decisões que vão ferir o casal. Acaba por ser uma grande atrapalhada, porque num lado estão as inseguranças de Julia e noutro o modo como Gabriel é super protetor com a sua amada Beatriz, que só vai deixar a situação ainda mais confusa. Há momentos em que o leitor só apetece pegar nas personagens e gritar: Falem tudo o que tem para falar de uma vez por todas! Mas todas as relações são assim e Sylvain retrata isso bastante bem, aquele medo de falar com a pessoa amada, ser incapaz de se expor sem qualquer tipo de vergonha , e não ter a coragem para fazer isso traz conflitos que podiam ser resolvidos apenas com uma simples conversa.

Porque ela era a sua Beatriz. Quando se experimenta um amor como esse, qualquer coisa menor seria apenas uma sombra.
Pág.385

Há uma grande evolução das personagens principais, em Julia essa transformação já tinha começado no livro anterior mas neste volume vemos a jovem a ser mais objetiva, madura e mais confiante; Gabriel acaba por descobrir um mundo completamente novo para ele, um mundo de fé, compaixão, amor e caridade. É possível observar nestes dois uma espécie de renascimento interior. 

Temos melhor conhecimento de algumas personagens, algumas já apresentadas no volume anterior tal como Paul e Christa. Nesta última são revelados bastante factos da sua vida passada, o que faz com que o leitor compreenda porque é que ela se comporta de tal maneira tão fria e sem sentimentos. Paul continua a ser Paul, o melhor amigo de Julia que está completamente apaixonado por ela mas que não tem qualquer hipótese. 

É o que acontece quando se ama alguém. Querer que seja feliz.
Pág.345

Quanto ao final foi simples lindo, magnífico, perfeito! Claro que a história podia acabar por aqui, mas o escritor foi deixando algumas pistas ao longo do livro de forma a que o leitor especule sobre o que será o próximo e último volume desta trilogia, e só espero que o meu palpite esteja certo porque se estiver vou adorar o rumo da história! Mal posso esperar para me reunir outra vez com Julia & Gabriel.


Reacções:

0 Rabiscos:

Enviar um comentário